II SEMANA DE REFLEXION TEOLOGICA FEMINISTA - LAS RAICES DE NUESTRA SABIDURIA del 14 a 18 DE JULIO DE 2014:

-->


Estimadas hermanas,
 

El grupo TEIFEM (teólogas e investigadoras feministas de México) tenemos el gusto de invitarles a la segunda semana de reflexión teológica feminista, la cual se llevará acabo los días 14 al 18 de julio de 2014 en las instalaciones del Iftim (Instituto de Formación Teológica Intercongregacional de México).

Este año hemos querido abordar como tema central: “las epistemologías feministas”, ya que tenemos la certeza que la forma como las mujeres nos acercarnos al conocimiento es desde la experiencia de nuestros diversos saberes. Los cuales, tienen como contexto la vida cotidiana de cada una. Esta es la forma como construimos la reflexión acerca de Dios.

La teología feminista latinoamericana se ha caracterizado por la construcción teológica desde epistemologías no eurocéntricas, ni patry-kyriarcales, sino desde una diversidad de saberes: indígena, afro-amer-indio, mestizo, ecofeminista y queer. Estos serán los temas sobre los que estudiaremos a lo largo de ésta semana.

Sede: Calle José Toribio 129, esq. Marcelino Dávalos. Col Algarín (Entre el metro Chabacano y Viaducto) Donativo: 1,300.00. Constancia de asistencia por el Iftim.

Informes e inscripciones: redesyesperanzas@gmail.com 5549676483 y 5530598485

Ddeser Puebla, invita:


Ddeser Chiapas, invita:


Ddeser Jóvenes y Ddeser DF, invitan:


Museo de la Mujer, invita:


ONU Mujeres y ONU Derechos Humanos, invitan:


ONU Mujeres, invita:


Radio Raíces, invita:


CAMPAÑA NACIONAL POR EL DERECHO A DECIDIR por PAN Y ROSAS - MTS:

-->
¡ABORTO LIBRE Y GRTUITO EN TODO EL PAÍS, YA!
¡DISOLUSIÓN DE LA COMISIÓN DE LA FAMILIA Y DESARROLLO HUMANO!
¡PLENOS DERECHOS PARA LA COMUNIDAD SEXODIVERSA!

Te invitamos este próximo sábado 5 de julio en la Alameda junto a Bellas Artes a la 1 de la tarde: SESIÓN ABIERTA DE CUERPOS PINTADOS, POR EL DERECHO A DECIDIR SOBRE NUESTROS CUERPOS Y NUESTRA SEXUALIDAD SIN QUE LA IGLESIA O EL ESTADO SE ENTROMETAN.

¡Por que en mi cuerpo sólo decido yo!
#MicuerpoMidesición

¡ASISTE, DIFUNDE!

INVITA:
PAN Y ROSAS-MTS

¡ABAJO LAS LEYES E INICIATIVAS HOMÓFOBAS Y ANTIABORTO!
¡A defender en las calles nuestro derecho a decidir!

Instituto de Liderazgo Simone de Beauvoir A.C, invita:


Centro de DDHH "Fray Francisco de Vitoria" A.C, invita:


En Oaxaca de Juárez- MX:


AVISO URGENTE de la Secretaria Nacional de Equidad y Género del PRD:


Voto Femenino:


Museo de la Mujer, invita:


PUEG- Unam, invita:


México Social A.C, invita:


¡ALTO AL FEMINICIDIO! ¡FUERA ERUVIEL DEL EDOMEX! ¡NO QUEREMOS MÁS MENTIRAS!

1 de Julio de 2014 a la(s) 13:19

Desde hace muchos años, el Estado de México es el bastión político y electoral del PRI a nivel nacional y sobre ello, los diferentes gobernadores de la entidad han ocupado posterior a sus cargos, altos puestos en la administración federal. 
El caso más emblemático es el de EPN quien, durante su administración en el Estado de México, registró los índices más altos de feminicidios a nivel nacional, múltiples casos de tortura y violencia sexual hacia mujeres y homosexuales, además de numerosos casos de abuso y violencia hacia cientos de mujeres y niñas. En el 2012, fue impuesto como presidente del país. 
El reciente escándalo provocado por las declaraciones del gobernador Eruviel Ávila hacia organizaciones feministas y ciudadanas en dónde afirma que en el Estado de México “hay cosas más graves que atender, que los feminicidios” pone de manifiesto una de las principales características de los gobiernos de la entidad mexiquense: la tolerancia al feminicidio y la violencia hacia las mujeres y niñas. La postura de las diferentes administraciones de la entidad mexiquense ha sido la de hacer caso omiso de los numerosos casos de feminicidio, violaciones y desapariciones, lo cual muestra el verdadero rostro del PRI a nivel nacional y particularmente en el Estado de México, que se ha convertido en uno de los lugares más peligrosos para ser niña y mujer. La estrategia de ignorar y menospreciar los casos de feminicidio y desapariciones empalma con la política machista y feminicida de las diferentes administraciones priistas del estado. Tantos los funcionarios como las autoridades se han negado tajantemente a activar la alerta de género argumentando la falta de casos de feminicidios en la entidad, a la vez que han incumplido en su obligación de dar justicia a las víctimas y sus familiares. Son precisamente, esos funcionarios y políticos los que se benefician de la violencia contra las mujeres: ya sea por las multimillonarias ganancias que dejan las redes de trata y prostitución, así como de los acuerdos con los empresarios que condenan a millones de mujeres y niñas a trabajos y condiciones precarias que, vulneran y exponen aún más sus condiciones de vida. 
Desde Pan y Rosas, en el Movimiento de Socialistas, hacemos el llamado a poner en pie un movimiento nacional de mujeres en las calles junto a lxs trabajadorxs, la juventud y el pueblo pobre con independencia política de los partidos patronales, para luchar por todos nuestros derechos y exigir la aparición convida de las jóvenes secuestradas por las redes de trata; porque nuestros cuerpos no se venden ni se compran, porque estamos hartas de trabajar con sueldos de miseria y en condiciones precarias mientras unos pocos se llenan los bolsillos. Para nosotras de aquí saldrá la fuerza para frenar los asesinatos y la impunidad.¡Basta de violencia contra las mujeres! ¡Alto al feminicidio! ¡Alto a la militarización del país!¡Juicio y castigo a los asesinos de mujeres en todo el país!¡Apertura y reapertura de todos los expedientes donde hay implicados asesinos de mujeres!¡Levantemos una comisión independiente integrada con familiares de las víctimas y por destacadxs activistas en la lucha contra el feminicidio y por los derechos humanos! 

Unam, invita:


Pela aprovação da Portaria nº 415 que estende o serviço de aborto legal ao SUS no Brasil:


Pela aprovação da Portaria nº 415 que estende o serviço de aborto legal ao SUS!

Cerca de 2.500 meninas que engravidam por ANO de estupro no Brasil não tem acesso ao aborto legal e CONTINUAM grávidas de um estuprador.

Essa é a nossa realidade. Nojenta e suja.
Esta é a realidade que faz necessária uma lei como a nº 415/2014.

Qual a situação hoje?

50 mil estupros no ano no Brasil.
Número maior que o de homicídios.

25 mil das vítimas de estupro tem ATÉ 12 anos.
São meninas. São crianças.

Cerca de 10% das crianças ENGRAVIDA.
Todo ano surgem no mínimo 2.500 meninas GRÁVIDAS de um estuprador. Somando esse dado com gravidez por estupro em adolescentes e mulheres, o número sobre para mais de 5.000.

Apenas 5% das meninas (125 delas) consegue realizar um aborto legal pelas vias legais. O que aconteceu com as outras 95%?

NINGUÉM SABE!

Essa é a realidade brasileira! Ninguém sabe!
O sistema não sabe, os hospitais não sabem!

Hoje existem apenas 37 hospitais em funcionamento que são autorizados a realizar aborto legal. Existem 5.570 cidades! Se essas meninas engravidam nas demais 5.533, ou seja, praticamente todo o Brasil, não terão na sua cidade quem as atenda. Terão que viajar, se tiverem recursos para isso! Por que ser estuprada aparentemente não é o suficiente para uma criança!

Meninas com menos de 12 anos GRÁVIDAS de um estupro! E sem um hospital que as atenda! COMO ISSO É PERMITIDO?

E no mínimo são 2.500, por que essas meninas não vão todas a delegacia prestar queixa. Estamos falando apenas dos números registrados pela polícia. Todos sabem que crime de estupro é muito, muito subnotificado. Existem mais estupros do que os jornais contam.

É surreal que a bancada fundamentalista tenha barrado esta portaria! Milhares de meninas e mulheres obrigadas a carregar uma gravidez de estupro, por que eles proibiram aborto legal no SUS!

Esta é a realidade que os parlamentares da bancada fundamentalista não querem enxergar! Estão cegos pelos seus princípios desumanos! A sociedade não pode se calar diante desta calamidade!


PELA PROVAÇÃO DA PORTARIA Nº 415!

A portaria nº 415 é extremamente necessária! Vem corrigir esta lacuna do sistema! De que adianta o aborto ser legal se ele na prática é inacessível, impossibilitando que as vítimas tenham real acesso quando necessitam?

Todos os dados retirados do excelente texto publicado pelo Ano Zero. Leia a verdade por trás da nossa realidade chocante.

http://ano-zero.com/tende-piedade-de-nos/

*Existem 65 hospitais cadastrados, mas destes, apenas 37 estão em funcionamento.

28 de Junio - Día Internacional del Orgullo LGBTTTIQ (Marcha Gay):


entre 11:00 y 17:00


Mostrar mapa:
Paseo de la Reforma 350, México, D. F.

Compañerxs, Colectivos y Organizaciones de la Sociedad Civil:
Con motivo de la próxima XXXVI Marcha del Orgullo y la Dignidad LGBTTTI (con las siglas y acrónimos que le sumamos con los años), espacio surgido para la denuncia de la violencia y exigibilidad de nuestros derechos, nos parece pertinente extenderles este llamado a sumarse al “Contingente por el acceso a la justicia.
A nivel nacional el ejercicio de violencia sistemática vulnera de forma impresionante la dignidad de las personas y los pueblos. Por mencionar algunos casos recientes: la desaparición y posterior asesinato del defensor de derechos sexuales y reproductivos Edgar Sosa Meyemberg colaborador de AVE de México; Agnes Torres activista transexual asesinada en Puebla en 2012; Yakiri joven criminalizada en la defensa de su seguridad personal; la red de explotación sexual al servicio del dirigente del PRIDF; el encarcelamiento de Alejandra Gil defensora de las trabajadoras sexuales; la gasolinera en el pueblo de San Pedro Martir; la negación del ejercicio de sus derechos a las personas en movimiento (migrantes); la situación que enfrentan quienes ejercen el periodismo y personas defensoras de derechos humanos; el ataque a las comunidades zapatistas; las personas en situación de reclusión por motivos políticos y las reformas estructurales que atraviesa nuestro país. Entre miles de casos más que no tienen acceso siquiera a la visibilidad.
Desde nuestras trincheras nos parece necesaria y urgente una toma de postura al respecto. Por ello, reconocemos que la libertad de expresión aunada a la protesta social son elementos indispensables en la construcción de una sociedad diversa, equitativa y justa; sin ellas, los casos que antes mencionamos no tendrían la difusión que han logrado.
La marcha es un espacio que requiere cuestionar la situación social y política que vivimos y actualmente constatamos que se sigue criminalizando nuestra orientación o preferencia sexual, nuestra identidad de género y nuestra corporalidad.
Por estos motivos hacemos un llamado a colectivos, organizaciones y personas que se sientan indignadas ante este contexto a marchar junto con nosotrxs en un espacio de protesta en el que demandemos justicia en las situaciones que nos trastocaron como personas, sociedad e integrantes de la disidencia sexo genérica.
La cita es a la espalda del Ángel a la Independencia (ubica los hashtags en nuestras pancartas), a las 11:00 Utilizaremos ropa negra para evidenciar nuestra indignación, en
contraste con colores vivos que nos representen e identifiquen. A las 11:15 daremos lectura a un comunicado de prensa.
#‎CelebramosLaVidaExigiendoJusticia #‎NuestraVenganzaEsSerFelices #‎DefendiendoLaAlegriaOrganizandoLaRabia #‎ConMiOrgulloNoSeLucra #‎SilencioEsIgualAMuerte #‎JusticiaParaEdgarSosa #‎LaIndiferenciaMata
Atte:
Hombres XX, Colectivo Poliamor, Bloque Rosa, Migrantes LGBT, Espiral de Paz, Colectiva de Gafas Violetas, Anarcoqueer, SIPAM, PIIAF, Maricas Antiespecistas, AVE de México.
Principio del formulario

Apoyo a Yakiri:


Instituto de Género "Josep Vicent Marques", invita:

Horario: Sábado 28 de junio de 9am a 6 pm
Dirección: Ponciano Arriaga 28, Tabacalera, Cuauhtémoc, 06030 Ciudad de México, Distrito Federal (El lugar pertenece a Mexfam).
Cuota de recuperación: 500 pesos

Para apartar su lugar sólo escriban a masalianzafem@gmail.com

Diversex, invita:


PUEG- Unam, invita:


Caleidoscpia, invita:


CEDUI -UNICH en San Cristóbal de las Casas, invita:


Secretaria de Equidad y Género del PRD, invita:


Centro de DDHH "Miguel Agustín Pro Júarez A.C", invita:


Instituto Nacional de Perinatología, invita:


Organic Roots festival, México Tour:


Faculdade Uninter- Curitiba- PR- BR:


Pan y Rosas de México, invita:


Centro Cultural "Casa de las Bombas", invita:


Voces en Tinta, invita:


Centro Cultural del México Contemporáneo, invita:


Mundial 2014, Brasil:


Centro Cultural Feminista em Brasília- BR, convida:


PNUD para América Latina y el Caribe, convoca:


Abertas as inscrições para o Prêmio Nacional de Educação em Direitos Humanos de 2014 no Brasil:


Estão abertas até a quarta-feira, dia 27 de agosto, as inscrições para o Prêmio Nacional de Educação em Direitos Humanos, que oferecerá um total de R$ 100 mil para instituições com atuação de destaque na área de Educação em Direitos Humanos (EDH). A quarta edição do prêmio bienal foi lançada em 27 de maio, durante o Fórum Nacional da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), quando foram abertas as inscrições.
Instituído pela Portaria Interministerial 812/ 2008, o prêmio é promovido pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) e pelo Ministério da Educação (MEC) para identificar, reconhecer e estimular experiências educacionais que promovam a cultura de direitos humanos. Com a coordenação da Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI), o prêmio é apoiado pela União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), pelo Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e com patrocínio da Fundação SM.
Para o Secretário Nacional de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos da SDH/PR, Biel dos Santos Rocha, o Prêmio se constitui em uma importante ferramenta para valorização e promoção de boas práticas na área de educação em direitos Humanos no País. “É preciso trabalhar na sociedade brasileira valores de direitos humanos, como a solidariedade, paz e companheirismo para que a sociedade possa se conscientizar sobre a importância da valorização do ser humano. Neste sentido, o Prêmio é fundamental para que possamos difundir essas boas ideias”, afirmou o Secretário.
Com o objetivo de fomentar boas práticas em EDH, o Prêmio Nacional de Educação em Direitos Humanos premia instituições, não indivíduos Assim, podem concorrer secretarias de Educação; escolas, universidades e empresas públicas e privadas; organizações não-governamentais; movimentos e organizações sociais; sindicatos; igrejas; agremiações; grêmios; associações e demais entidades vinculados à educação e à cultura. Em 2014, será concedido em quatro categorias, a saber:
1. As Secretarias de Educação na construção da Educação em Direitos Humanos;
2. A Educação em Direitos Humanos na Escola;
3. A Formação, a Pesquisa e a Extensão em Educação em Direitos Humanos; e
4. A Sociedade na Educação em Direitos Humanos.
No prêmio, serão distribuídos R$ 100 mil aos vencedores, sendo R$ 15 mil para os primeiros colocados em cada categoria e R$ 5 mil para os segundos colocados. Além disso, o prêmio inclui uma menção honrosa para homenagear – diploma e troféu – experiências referentes a temáticas específicas: em 2010, EDH no âmbito da mídia; em 2012, educação no campo; e, neste ano, educação indígena.
A seleção dos premiados se dá em três etapas. Na primeira, um coordenador verifica a compatibilidade estrita dos trabalhos com os pressupostos estabelecidos no regulamento e avalia as propostas. Na segunda, a Comissão Organizadora seleciona os dois melhores trabalhos por categoria. Na útima etapa, uma Comissão Julgadora de especialistas em Educação em Direitos Humanos escolhe o primeiro e o segundo colocado e cada categoria.
Em 2012, concorreram ao prêmio 200 projetos, contra 220 em 2010. A cerimônia de entrega da premiação está prevista para novembro deste ano, durante a Conferência Nacional de Educação (CONAE).
Prêmio - Inscrições abertas de 27 de maio a 27 de agosto de 2014.
Quem: Instituições públicas e privadas de Educação Básica e Superior, Secretarias estaduais e municipais de Educação e instituições de Educação não formal.
Como: www.educacaoemdireitoshumanos.sdh.gov.br

Diferencias entre los Derechos Sexuales y Reproductivos en Croacia y Brasil:


Amnístia Internacional #MundialBrasil2014:


FIRMA Y DIFUNDE: https://www.es.amnesty.org/actua/acciones/brasil-protestas-mundial-may14/?pk_campaign=rs&pk_kwd=fbk-ciber-brasil-mundial-12jun
#Brasil2014 #MundialBrasil2014
-----------------------
En la foto, una activista saca una tarjeta amarilla con nuestro logo. En la imagen se lee "No todo es fútblo. Yo firmo por los derechos humanos en #Brasil2014. www.actuaconamnistia.org

Campanha para Erradiar o Turismo Sexual e a Exploraçao Sexual no Brasil:

-->
DECLARAÇÃO

Em vista da situação no Brasil e da exploraçao sexual de crianças e adoslescentes declaramos:

Os corpos e as vidas das mulheres e das meninas não são mercadorias.   A compra de uma mulher ou de uma menina para a prostituição, o tráfico como instrumento de comércio – ou seja, um produto – viola seus direitos humanos.

  • Comprar sexo não é uma atividade turística.  O turismo deve promover o respeito entre as pessoas e o meio ambiente, e fomentar a diversidade e a igualdade.
  • Comprar sexo não é um esporte.  Pagar por sexo promove a exploração sexual de mulheres e meninas. O esporte deve promover o jogo limpo e a igualdade.
  • Sem demanda não há oferta.  Existe a exploração sexual de mulheres e meninas porque existem homens que pagam por sexo.  Por pagarem e criarem esse demanda, a prostituição existe.
  • Os homens de verdade não compram mulheres.  A compra do sexo financia a escravidão sexual de mulheres e meninas.
  • Viver livre da exploração sexual é um direito humano. Não temos a intenção de restringir os direitos sexuais das mulheres e dos homens, senão protestar pelas condições sociais, culturais e econômicas desiguais, que facilitem a prostituição de muitas mulheres e meninas.  A prostituição não é uma opção para a maioria das mulheres que se submetem a essa condição. É, ao contrário, uma ausência de escolha. A prostituição perpetua o estereótipo de que os corpos das mulheres e das meninas são para o prazer sexual dos homens.

INSTAMOS

  •  Aos 32 países que participam do Mundial de Futebol no Brasil (2014) e que ratificaram as convenções e os protocolos internacionais contra o tráfico de pessoas, especialmente mulheres e meninas:  tomar uma posição oficial contra o turismo sexual que aumenta durante os eventos esportivos.
  •  Ao comitê da Fifa, seu presidente, diretores das equipes nacionais, dirigentes, treinadores, pessoal técnico e jogadores:  promover o “jogo limpo” num torneio desportivo livre do turismo sexual.
  •  Aos jogadores das seleções nacionais: que se comprometam a não utilizar as mulheres em situação de prostituição, visto que esses atletas são modelos para os jovens e influem no seu comportamentto social.
  •  Às agências de turismo no Brasil e em todo o mundo: que promovam o turismo ético, livre da violência contra as mulheres e as meninas.
  •  Aos indivíduos em geral, às organizações e instituições:  que se unam a esta causa em favor de uma vida livre de exploração humana.
  •  A todo o público, em geral: que se comprometa a não se converter em cúmplice da exploração sexual de mulheres e meninas, tanto legal como culturalmente, não aceitando a prostituição como um “trabalho”.
  •  Ao Governo do Brasil, em especial à sua Presidenta:  que se implemente uma política contra o turismo sexual e o respeito aos tratados internacionais ratificados pelo Brasil para abolir todas as formas contemporâneas de escravidão, inclusive o tráfico e a exploração sexual, especialmente de mulheres e meninas.

DIGA NÃO AO TURISMO SEXUAL E À EXPLORAÇÃO SEXUAL
DIGA NÃO AO TURISMO SEXUAL DURANTE A COPA DO MUNDO DE 2014 E  OS JOGOS OLIMPICOS DE 2016. 

 

Copa do Mundo do machismo e da exploração sexual:

Adidas incentiva o turismo sexual no Brasil:

   Uma notícia tomada pela grande mídia como polêmica: a multinacional Adidas coloca à venda camisas que sugerem a exploração e o turismo sexual na Copa do Mundo no Brasil, em site dos Estados Unidos. Para aqueles e aquelas que lutam todos os dias contra o machismo e sabem da exploração sexual existente no país é muito mais que uma polêmica, mas algo que fere e indigna ao saber que empresas aliam o marketing esportivo com a possibilidade de aumentar seus lucros com a exploração e o turismo sexual de crianças, adolescentes e jovens que acabam se submetendo a uma das formas mais degradantes de sobrevivência nessa sociedade.

   A multinacional em questão, assim como as grandes empresas do mercado de materiais esportivos, explora trabalhadores e trabalhadoras em países pobres ou em desenvolvimento, com destaque para a mão de obra infantil e feminina. Segundo o Fórum Internacional sobre Direitos Trabalhistas, países como Paquistão, China e Índia possuem fábricas de bolas de futebol em que crianças levam as mesmas para costurar em suas casas, recebendo salários abaixo do nível de subsistência. Mesmo adultos recebem salários miseráveis, a exemplo das fábricas de bola da cidade paquistanesa de Stakol, o maior centro mundial de fábricas de bolas da Adidas onde, para costurar 32 gomos de uma bola que é vendida nos Estados Unidos por 50 dólares, cada trabalhador recebe 5 centavos de dólar, de acordo com dados do jornal australiano The Sydney Morning Herald.
   Não bastasse a violência da superexploração nas fábricas asiáticas, a busca de um nicho de mercado na visão do Brasil associado a mulheres se tornou um alvo a partir do setor de marketing da empresa. Afinal de contas, as mensagens “subliminares”, onde um coração virado de cabeça para baixo se torna um bumbum e fio dental, ou a frase em inglês “Lookin’ to score”, que pode ser traduzida como “buscando fazer gols” ou “querendo pegar garotas”, não são por acaso, mas muito bem pensadas por profissionais do ramo que são pressionados por empresas do gênero a fazerem o melhor marketing possível.
   Assim, para os ricos acionistas, a relação entre nosso país e o turismo sexual não é um problema social grave, que leva pessoas a venderem seus corpos como último recurso frente à miséria e ao descaso dos governos, mas é simplesmente uma possibilidade de ampliar os estratosféricos lucros que começam nas fábricas do Paquistão e podem continuar nas compras dos turistas estadunidenses que visitam o Brasil em busca de sexo fácil.
    Em um país governado por uma mulher, a exploração sexual é inadmissível! Com a explosão de indignação nas redes sociais e a divulgação da mídia, o governo brasileiro se sentiu pressionado a dar alguma resposta. O mesmo se apresentou como “indignado” e Dilma declarou que aumentarão os esforços para prevenir a exploração sexual na Copa. Tal afirmação realizada sob pressão só reafirma que a prioridade da primeira presidente mulher passa muito mais por despejar recursos públicos nos estádios e proteger os lucros dos investidores na Copa, aumentando a repressão às manifestações do que combater o machismo e a relação que o país tem com o turismo sexual.
    Um pouco antes do governo Dilma, em 2009, após os 7 primeiros anos do PT no poder, o número de denúncias de exploração sexual de crianças e adolescentes triplicava segundo dados da própria Secretaria de Direitos Humanos da presidência. Em 2012, segundo o Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil, estimava-se 500 mil crianças e adolescentes na indústria do sexo no Brasil; segundo reportagem da Folha de São Paulo, os empresários da prostituição esperam um aumento de 60% no que afirmam ser “a Copa das Copas”, com diversas iniciativas para atrair clientes já em curso nas cidades que sediarão os jogos. Além de tudo, a Fundação francesa Scelles afirma que o tráfico de mulheres é algo que se amplia em grandes eventos, como acorreu na Copa da África do Sul.
     Dilma e seus discursos evasivos e sem objetivos claros sobre como combater o turismo e exploração sexual, combinado à visualização do passado, presente e perspectivas dessa prática na Copa, só esclarece o fato de que, ao longo de quase 4 anos de governo, absolutamente nada de efetivo para combater a raiz do problema foi feito.
    Entregadas a miséria, fome e pobreza extrema, era possível encontrar meninas de 10, 11 e 12 se prostituindo por R$ 10 ou um prato de comida nos arredores do Castelão, antes mesmo de sua inauguração. Para muitas famílias no estado do Amazonas, vender suas filhas para políticos acaba sendo alternativa à pobreza, como no caso do prefeito da cidade de Coari, no início desse ano. No centro do Rio de Janeiro, sede da grande final, a prostituição cresce, inclusive entre mulheres casadas, desesperadas diante da falta de emprego para elas e seus esposos. De norte a sul do país, inúmeros são os exemplos da degradante situação que milhares de crianças e mulheres passam, diante do fato de direitos sociais serem deixados de lado, para cumprir compromissos com banqueiros e grandes empresários.
    Em uma suposta festa da paixão nacional, para muitos e muitas não haverá o que comemorar, apenas sentir a dor da infância perdida, da falta de perspectivas e do corte na carne por transformar seus corpos em mercadoria. Dilma tem em suas mãos esse sangue derramado.
    O futebol e a idelogia de opressão à mulher.
    Essa paixão nacional cantada em prosa e verso por artistas, que movimenta milhares de pessoas pelo amor a seus times, hoje, no capitalismo, foi apropriado pelos ricos e passou a ser bastante valorizado por estes. Isso porque a massa que se aproxima do futebol é vista como potencial mercado consumidor. Hoje é um meio de propagar a ideologia machista, a falsa ideia da inferioridade da mulher, para potencializar os lucros.
   Os exemplos de como o machismo se propaga pelo futebol e gera lucros são muitos. Desde a presença de mulheres como atrativos aos comerciais de cervejas, passando por desfiles de garotas carregando placas de anúncios nos intervalos nos estádios, ou mesmo a atual ampliação de mulheres no cenário de reportagens esportivas - em que pese a importância de ocuparem um espaço historicamente masculino - a visão da mídia empresarial é voltada para o fato de que mulheres apresentadoras podem ampliar o Ibope dos programas esportivos, já que o principal público é de homens. E descaradamente, o atual investimento de camisas da Copa do Mundo com alusão à mulheres brasileiras.
    Assim, a paixão do futebol é nada mais que roubada dos trabalhadores e trabalhadoras, daqueles e daquelas que levantaram cada pedra dos estádios mas não poderão entrar nos mesmos, àqueles e àquelas que farão as cidades funcionarem para turistas verem, e deverão se contentar em assistirem os jogos pela TV. Além disso, receberão uma educação que normaliza a exploração e mercadorização do corpo da mulher, enquanto consomem os produtos destinados ao menor poder aquisitivo destinado a homens e mulheres que vivem do trabalho.
    O esporte pode expressar outras ideias, criar verdadeiros eventos feitos pelos trabalhadores e trabalhadoras para seu pleno lazer e não para os interesses da FIFA, que não expresse a exploração e opressão machista  mas a igualdade entre homens e mulheres, mas não no capitalismo. Para a superação de todas as formas de opressão e exploração, é preciso que homens e mulheres que vivem do trabalho, juntos, derrubem esse sistema social em busca do socialismo, da plena divisão de todas as riquezas da humanidade. Para tal objetivo, ainda há muita luta por fazer, inclusive na Copa.
Na copa vai ter luta contra o machismo!
64 anos depois da tragédia de 1950, quando a seleção canarinho perdeu por 1 X 0 para o Uruguai, temos uma nova Copa no Brasil e, ao mesmo tempo que cada brasileiro torcerá pelo hexacampeonato, é preciso se perguntar: onde está o dinheiro para a Educação? Saúde? Transporte público? Não nos enganemos, torcer pelo Brasil é também questionar o fato de ser campeão em corrupção, em desigualdade na distribuição de renda, em exploração sexual.

    A Copa do Mundo de 2014 arrasta consigo as lutas que se iniciaram ano passado em meio a vontade dos empresários de aumentarem as tarifas do transporte público, da falta de recursos para os investimentos sociais e gastos absurdos com os estádios. E desde o começo desse ano de Copa, os questionamentos estão nas ruas, inclusive na falta de políticas públicas para as mulheres.
    A violência doméstica, o sufoco e assédio nos transportes públicos, filas nos hospitais e creches, e o problema do turismo e exploração sexual, são somente algumas das chagas destinadas às mulheres no governo Dilma, o que será parte dos combates, do 8 de março aos Encontros Estaduais do Movimento Mulheres em Luta, passando pelas políticas específicas às mulheres negras no I Encontro de Negros e Negras da CSP-Conlutas, até o conjunto das atividades que cada militante socialista do PSTU estiver presente, inclusive os atos que ocorrerão na copa do mundo.
    Para nós, na luta contra a prostituição, opressão e exploração, não há meio termo, diferente do projeto de lei defendido pelo deputado do PSOL Jean Willys (PL 4211/2012) que regulamenta a exploração do cafetão. Chamamos sim, para a luta,  todos aqueles e aquelas que sentem a indignação e a dor de vermos praticamente tudo ser transformado em mercadoria no “espetáculo da copa”, inclusive nossas crianças, adolescentes e jovens, a estarem conosco em todas as lutas, contra as injustiças, em defesa da dignidade humana.Na copa vai ter luta!
*Com colaboração da Secretaria de Mulheres do PSTU

Contradições no combate ao turismo sexual na Copa:


  
Maria Aparecida Vieira, presidente de uma associação de prostitutas reclama que as campanhas contra a exploração sexual visam impedir que as prostitutas trabalhem no evento.
— O país que sempre vendeu a imagem da sensualidade no exterior vive contradições para impedir que o turismo sexual ameace, principalmente,  menores de idade.  O temor cresce no contexto da Copa do Mundo 2014, que  começa no Brasil no dia 12 de junho.
    Com o objectivo de prevenir o abuso sexual, sobretudo, contra crianças e adolescentes  foram lançadas campanhas nacionais e estaduais para enfrentar o problema, com destaque para as cidades que vão sediar jogos.

   Dados da Secretaria de Direitos Humanos do governo federal mostram que, no ano passado, foram registrados 33 mil casos de exploração sexual de crianças e adolescentes.
    Diante dos números já assustadores, os coordenadores das  campanhas lembram que eventos, como a Copa, atraem a atenção de milhares de turistas brasileiros e estrangeiros, o que exige adoção  de estratégias mais contundentes para proteger crianças e adolescentes.
Gláucia Brandão, que coordena as acções para impedir a  exploração sexual durante  a Copa,  em Belo Horizonte,  conta que  cada cidade sede está envolvida nessas mobilizações. "Por causa do estigma que o Brasil tem da questão da exploração  sexual. Então, nós estamos nos organizando juntamente com o Estado, a União, o municípios e movimentos sociais para criarmos uma grande rede de proteção," explica.
    "O Brasil entende que a exploração sexual de criança e adolescente é crime.  Nós temos o Disque 100, o 0800 para que  em qualquer emergência a pessoa possa ligar para que a gente possa fazer o encaminhamento e dar essa proteção legal", alerta.
     Gláucia detalha  como vai funcionar a frente para combater o problema nos dias do evento. "Um plantão integrado que vai funcionar presencialmente com os conselhos tutelares e defensoria pública localmente. A promotoria, o juizado, a delegacia da infância estarão organizados em plantão por telefone para que possamos fazer as orientações e o direcionamento dessas crianças no período da Copa", afirma.

Gatas da Copa:

   Mas, a contradição entre a divulgação do turismo sexual e as campanhas contra exploração sexual fica explicita nesse período de Copa do Mundo no Brasil. Antes mesmo do mundial, a chegada ao comercio de camisa da marca Adidas com apelo sexual, os concursos de "Gatas da Copa" levantam debates acalorados  em torno do assunto.
    Além disso, as divulgações de hotéis, empresas de turismo, entre outros, usando  como  apelo as mulheres brasileiras   expondo os seus corpos,  passam a imagem de uma institucionalização  desse tipo de turismo no Brasil.
    O coordenador do programa Turismo Sustentável e Infância do ministério brasileiro do Turismo, Adelino Neto, garante  que o governo não compactua com o turismo sexual.  "A questão do Turismo Sexual não é reconhecida pelo ministério com esse nome. O que existe, na verdade, são turistas que se deslocam para o país, em buscam destinos conhecidos vendidos no mundo. Isso sem dúvida pode trazer pessoas com más intenções, pessoas que buscam denegar direitos e não é isso que o Brasil quer".

    Mas, o representante do ministério admite  que o turismo sexual é uma realidade no Brasil. "Não há que se negar isso pelos dados da UNICEF, Organização Mundial do Turismo,  quem quer que seja, não há como negar isso. É um problema que, no Brasil inteiro, temos o registro de 2.930 municípios  brasileiros que já tiveram o registro".
    A polémica  tem ainda um outro lado, o das profissionais do sexo. Maria Aparecida Vieira, presidente de uma associação de prostitutas, reclama que as campanhas contra a exploração sexual, o turismo sexual  e até o  tráfico humano querem, na verdade,  impedir que as prostitutas trabalhem no evento.
    Maria Aparecida não vê as profissionais do sexo como alvos em potencial de nenhum crime e que, portanto, precisem de campanhas de proteção.  "A questão do preconceito é muito grande,  a questão da  Igreja. Há isso de envolver tudo, como se a prostituta fosse explorada sexualmente. Isso é um mito. Não é a realidade do movimento de prostitutas. Quanto pagam por esse mito.  A verdade é essa: tráfico de prostitutas não existe. Todo mundo quando sai do Brasil sabe que vai para a prostituição".